Para Escurecer

Fiquei por anos emudecida, primeiro pela dificuldade dialética,  depois por medo da repressão e violência que acontecia pelos menores motivos ou por nada e quando houve a tão esperada libertação deixei que falassem por mim e fingi acreditar na história que contaram.

Quando percebi que não precisava mais usar o véu que cobria meus olhos e busquei minha verdadeira história,  resgatei minha auto estima, valorizei minha religião,  percebi a força da minha voz.

Meus pensamentos inquietantes incomodavam os privilegados,  preocupavam meus opressores que queriam me convencer que do jeito que estava, a la Casa Grande e Sensala, todos eram felizes. Mas eu não estava, muito menos os meus.

Num grito organizado e questionador exigimos a quebra dos grilhões que nos amordaça e que violenta a nossa existência. Não é possível mais suportar o engodo que a tirania da minoria nos força a compreender, aceitar.

Toda essa audácia ameaça meu algoz e entre seu medo e a real libertação só posso dizer: Prepare-se!

Anúncios
Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Os números de 2014

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

Aqui está um resumo:

Um bonde de São Francisco leva 60 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 770 vezes em 2014. Se fosse um bonde, eram precisas 13 viagens para as transportar.

Clique aqui para ver o relatório completo

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Aos Teus Olhos

Sinto falta dos seus olhos revelando meus segredos com destreza, me desnudando

Invadindo a minha alma e me fascinando, me desvelando, me lendo com clareza

Como consegue essa intimidade de almas gêmeas me olhando apenas?

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Me calando com seu silêncio e, de tanto chorar, fechei os olhos para você que não me via. Não é questão geográfica pq essa distância já existia e eu insistia em ignorar, fingia não perceber, assim como você fazia comigo.
É bem dolorido, mas aprendi a conviver como figurante de novela das oito, que só preenche o ambiente. E o meu vazio? Quero preenche-lo com reciprocidade de carinho.

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Sentimento Pré Datado

Achei tão maravilhosamente interessante aquele sentimento despertado que resolvi guardá-lo pra perpetuar seus efeitos ao longo do tempo. Escondi bem direitinho, pra ninguém mais encontrar, sabia que lá estava à minha espera.

Controlei meus ímpetos para não gastá-lo com minha ansiedade e me obriguei a não recorrer à ele até o momento certo. Passaram-se horas, dias, anos e quando resolvi que era o momento adequado me surpreendi com o que aconteceu. Sofri os efeitos do tempo, que logo tratou de me modificar, assim como o vento numa rocha: soprando lento, mas constantemente.

Perdi as borboletas no estômago que morreram sufocadas, claustrofobicamente, naquela caixinha torturante de privar felicidade. Já não tinha em mim o mesmo efeito de outrora, percebi que os sentimentos não podem ser pré datados como cheques, sentimento é pagamento à vista e sem parcelamentos.

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Cretina Vaidade Humana

Percebo, com certa frequência, quando sou mero reflexo para o narcisismo dos que me cercam. Nesse momento, me deleito com o solo fertilmente manipulável que a vaidade alheia me proporciona, sou a oleira desse barro podre que é o outro.

Me divirto com as cretinices dos egocêntricos como quem brinca com marionetes, percebo suas excentricidades e dou vazão aos devaneios até conquistar meu objetivo. Não que seja agradável tê-los por perto, mas, já que me rodeiam, me divirto com o seu pior.

Inflo seu ego, jogo confetes, faço perguntas tolas, deixo-o vangloriar-se dos feitos medíocres da sua vidinha sem graça como quem assiste à uma decisão nos pênaltis, cheia de suposto interesse. Tudo isso por uma razão: debochar da vaidade.

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Abri os Olhos

Quando abri os olhos o tempo havia passado

Não senti as dores, angústias, não vi os problemas

Esqueci as mazelas, perdi a tristeza e os dilemas

Quando abri os olhos depois daquele beijo longo

O mês havia acabado e eu fiquei assim

Sentindo apenas o seu gosto nos lábios

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário